Produção de Vinho

As vindimas começam normalmente entre meados de Agosto e princípios de Setembro, prolongando-se por vezes até aos primeiros dias de Outono.

Uvas brancas a chegar à Adega.
A encher as prensas manuais. Duas das quatro prensas manuais, com mais de 100 anos, e ainda hoje utilizadas em cada vindima
A vindima à mão começa sempre de manhã bem cedo, pela madrugada, por forma a preservar a frescura e qualidade da fruta, e onde é logo feita uma primeira selecção. Os pequenos cestos de uvas não demoram mais do que uma hora a chegar à adega onde é feita uma segunda selecção manual mais criteriosa.
A tradicional pisa a pés é feita duas a três vezes por dia durante a fermentação em lagar, a qual demora entre cinco a oito dias no total. Todos os vinhos tintos, sem excepção, são fermentados com engaço em lagar. Só depois é que o vinho é trasfegado para os tonéis e barricas, onde ocorre a segunda fermentação (malolática).
Por sua vez as castas brancas são desengaçados e prensadas antes do sumo ser fermentado a frio, garantindo desta forma a preservação dos aromas.
Após a fermentação, o lagar de vinho tinto é esvaziado para um ou mais tonéis enquanto a manta, ainda rica em vinho novo, é prensada numa prensa manual vertical centenária. Sendo este processo completamente manual, de baixo rendimento, mas muito suave na extracção, a qualidade dos vinhos resultantes destas prensas é extraordinária. As melhores prensas são sempre incluídas nos melhores vinhos.
Engaço pronto para a prensa.
No início do ano seguinte, todos os vinhos são provados, avaliados e é iniciado o desenho de cada referência. Até serem lançados, os vinhos Mouchão estagiam três anos em tonel – entre 2.200 e 5.500 litros cada – mais dois anos em garrafa. A maioria dos tonéis contam com mais de meio século de existência. Algumas barricas novas de carvalho são usadas para estagiar as referências Ponte das Canas e Dom Rafael tinto.

 

Já os históricos vinhos fortificados de Sobremesa do Mouchão amadurecem em pipas e piparões tradicionalmente utilizados para o estágio de Vinho do Porto.
Sendo vinhos com enorme potencial de longevidade, muito raro de encontrar em vinhos de mesa tanto em Portugal como no Mundo, o prazer da prova é tanto melhor quanto maior o tempo de guarda antes de abrir uma garrafa , algo especialmente importante para o Mouchão, Tonel Nº 3-4 e Ponte das Canas. Não sendo possível essa espera é vivamente recomendado que estes vinhos sejam decantados com várias horas de antecedência, para potenciar ao máximo o prazer da prova.
Para mais informações, por favor contacte info@mouchao.pt
Top